1006

19 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

Ascenso Simões

DATA

13.10.2016

TÓPICOS

António Filipe e o novo PCP

António Filipe é um dos mais competentes e habilitados parlamentares portugueses. Se dúvidas houvesse bastaria pesquisar a sua investigação académica, observar a sua tese de doutoramento que, de tão inovadora, poderia ser inserta em currículos de várias áreas de estudo. 

 

Mas não foi António Filipe, enquanto pessoa, que me levou a escrever o texto de  hoje. Mesmo que houvesse muitas razões para tal, o que me trouxe aqui foi a afirmação de uma entrevista em que diz que “o PCP pode ponderar integrar o governo…”. 

Em tempo prévio ao Congresso Nacional dos comunistas, que se realizará no final do ano, a entrevista é uma marca, é um sinal. 

Os comunistas, na sua leitura de comando centralizado, sabem que não devem dizer nada que vá para além das teses que a Comissão Política e o Comité Central preparam. É por isso que afirmação de Filipe se revela importante, se transforma num marco decisivo para o futuro da governação. 

O PCP está a dois passos de ampliar a sua leitura institucional. Já o praticava nas autarquias locais, já o assumia, com critérios próprios, no campo da concertação social. 

Mesmo para os socialistas que integram o espaço mais moderado, a abertura do PCP merece um elogio. Porque consolida uma democracia mais ampla, porque concede outras oportunidades para além da atual “geringonça”. 

Mas Filipe, com esta leitura tática sibilina, espetou a faca na ação política de José Manuel Pureza. O dirigente bloquista mais conciliador, no bom espírito transmontano e na boa aceitação da sua leitura sociológica, tem agora o papel de confrontar o país com a disponibilidade do BE para seguir o PCP. O Bloco tem muitos bolcos dentro. Revela as origens, as vocações e os deslumbramentos que história e protagonistas conferem. Mas, num tempo de orçamento em que os votos dos partidos mais à esquerda garantirão mais um ano de governação do PS, é relevante afirmar que à esquerda há política interessante e uma discussão prometedora que se pode fazer. Olhando para o PPD e para o CDS só nos resta um enorme bocejo. 

 

AUTOR

Ascenso Simões

DATA

13.10.2016

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019