1008

25 Jun 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

António Correia de Campos

DATA

07.06.2016

TÓPICOS

Governar é preciso

As coisas correram bem a António Costa e ao PS, no Congresso. A ordem não é arbitrária, corresponde à realidade. Costa teve um bom discurso final, sem demagogias, próximo do coração do Povo. Claro como água, já havia demonstrado que vinha para cumprir.

 

Agora mostrou empenho em governar. Fê-lo de modo elegante, sem arroubos de retórica, traçando com clareza um caminho dentro da Europa, com vontade e rumo próprios. Elogiado por todos, até pelo infundamentado das críticas de opositores. Trouxe otimismo ao pulsar político de um povo habitualmente bisonho e invejoso, embora resiliente. Trouxe vontade de afirmar e agregar com outros uma visão europeia diferente da dominante. Foi claro ao tratar dos zelotes do antigo Leste Europeu, agora cristãos novos do capitalismo e do isolacionismo. Foi firme nos valores europeus e crítico da sua postergação. Foi institucional, mostrou espírito cooperante, quase omitiu críticas à Oposição. Não tanto por razões táticas como pela escassa notoriedade desta. Costa transformou a paliçada em fortaleza, não espanta que a Oposição se desnorteie e haja cada vez mais gente a dela descrer.

Tudo bem na tática. Porém, tempos de crise dupla real e prenunciada precisam de estratégias. Claro que temos um bom Programa Nacional de Reformas. Claro que temos propostas inovadoras em todas as áreas. Claro que o Simplex 2 irá ajudar a limpar as ervas e até o mato dos caminhos. Claro que temos gente nova e qualificada no Governo. Claro que estamos dispostos a demonstrar, a críticos maldosos, que não governamos um município mas um País. Mas também registamos bloqueios de decénios, nunca afastados, na justiça, na educação e formação, na escassez de espírito de risco, na acomodação fácil. E estamos a deixar sair alguns dos mais ativos e preparados. Dizem-me que um País do Norte da Europa nos leva anestesistas pagando dez vezes o que aqui lhes damos e mais uma viagem a Portugal cada dois fins-de-semana. Difícil competir em economias desiguais para o bem mais escasso, os recursos humanos. No tempo das Descobertas, “o Reino despovoava-se ao cheiro da canela”. Agora exaure-se pela nossa secular penúria que os concorrentes pretendem eternizar. Temos que olhar para as nossas capacidades de forma estratégica, para que a tática as não afogue. Tudo é hoje mais difícil que há cinco anos atrás. O grau de exigência da governação é muito maior que há dez anos, quando retomámos o poder. Cruzar os braços? Nunca? Proclamar arroubos líricos, belos, mas vazios? Foi bonito, mas não basta. Agora temos que governar.

AUTOR

António Correia de Campos

DATA

07.06.2016

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019