1066

15 Out 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

BANIF
Governo do PS garantiu preservação da estabilidade financeira
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

01.02.2016

FOTOGRAFIA

Jorge Ferreira

Governo do PS garantiu preservação da estabilidade financeira

Importa apurar e explicar as razões pelas quais o anterior Governo da direita não colocou em discussão, atempadamente, a possibilidade de fusão entre CGD e Banif, ou outras que pudessem acontecer, num momento em que o programa de ajustamento definido pela troica pressupunha a consolidação da banca poruguesa.

 

Esta a convicção expressa pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, que, ouvido no Parlamento pela Comissão do Orçamento, fez questão de deixar claro que o atual Executivo só percebeu a gravidade da situação quando tomou posse.

Olhando para dezembro último, Centeno voltou a afirmar que a solução preferida pelo Executivo de António Costa para resolver o problema do Banif era a sua fusão com a Caixa Geral de Depósitos (CGD), uma vez que, dessa forma, ficava salvaguardada a “estabilidade financeira e os recursos públicos” que estavam alocados no Banco Internacional do Funchal.

“Explicámos [a Bruxelas] as razões dessa preferência, mas a concretização do ponto de vista regulamentar da fusão do Banif com a CGD passava por levantar algumas restrições que a CGD tinha quanto à aquisição de outros bancos, porque a CGD ainda está com o processo de devolução de CoCo [instrumentos híbridos de capital], que ainda não foram pagos” pelo banco público ao Estado, recordou o ministro.

 

Impasse político prejudicou processo de venda

Mário Centeno informou a Comissão do Orçamento que a administração do Banif recebeu quatro propostas para a compra do banco até ao dia 18 de dezembro, uma das quais não vinculativa, e deu disso conta ao Governo.

E acrescentou que as dificuldades que o banco enfrentava exigiam que se agisse “muito rapidamente”.

“Foi o que fizemos”, sublinhou Centeno, indicando que o Governo foi informado a 4 de dezembro pelo governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, de que o supervisor “teve de assumir responsabilidades junto da Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia por ausência do Governo”.

Por outras palavras, o impasse político arrastado pela Presidência da República até à tomada de posse do atual Executivo terá prejudicado o processo de venda do Banif.

“O que o Governo, como entidade responsável pela estabilidade financeira do país, fez, foi a preservação da estabilidade financeira”, concluiu Mário Centeno.

 

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

01.02.2016

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019