1023

16 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Edite Estrela

Opinião

AUTOR

António Correia de Campos

DATA

04.11.2015

TÓPICOS

Sim ou sopas!

A direita recuperou fôlego com as notícias de que o PS ainda não descartara a possibilidade de deixar passar o governo atual, caso não conseguisse apresentar uma forma governativa estável e duradoura.

 

Passos Coelho afinal estaria disponível para continuar a chefiar o governo em gestão. Deve estar a rezar – a direita reza muito – o que lhe dará tranquilidade para refletir sobre a sua deriva extremista de quatro anos de radicalismo, empobrecimento e maus tratos aos humildes. A fazer fé nas declarações proféticas do novo ministro da Administração Interna, é possível que a direita venha a culpar Deus da sua saída do poder e a procurar no mercado um seguro para acidentes políticos naturais futuros. 

A direita, grande e contumaz pecadora, tem dificuldade em realizar exames de consciência. Ainda não engoliu a sua posição minoritária saída das eleições de 4 de Outubro. Agarrou-se a supostas tradições: que o governo seria sempre constituído pelo partido que recolheu mais votos, mesmo que contra ele existisse uma maioria unânime, o que nunca existira na tradição passada; que a tradição obrigava a que o presidente do Parlamento fosse também desse partido, contra o que chegara a ser sua proposta em esponsais frustrados – a eleição de Ferro Rodrigues - para virar de bordo e tentar a não-eleição de Ferro. Se o atual governo for derrubado para a semana, lá estará a direita a propor nova tradição: a de um presidente sem poderes de dissolução manter em funções um governo derrotado no Parlamento, ao longo de seis meses decisivos, recusando mesmo enviar orçamento a Bruxelas, até que chegue um novo presidente e lhe satisfaça a sua mais íntima aspiração: novas eleições para reverterem o seu estado de desgraça. E até arrepela cabelos e rasga vestes quando o seu ditoso candidato a Presidente parece querer trocar-lhe as voltas, caso seja eleito.

Com os dislates da direita todos estamos a sentir-nos bem, são até os seus tenores que lamentam o desassossego e a incoerência. Agora temos é que olhar para a nossa trincheira e mesmo para a nossa casa. Na trincheira ainda não há comunicação capaz e a que existe dá sinais de uma relutância essencial. É natural: tudo deve continuar em aberto até tudo ter sido fechado. É tão bom que as partes demorem a entender-se, como tão mau que elas se desentendam logo ao primeiro arrufo. Mas o tempo conta e a incerteza gera intriga e erosão de confiança entre partes. No final da semana tudo tem que estar em pratos limpos. Ou sim ou sopas! E se for sopas, a vida continua embora se lamente a ocasião perdida.

Quanto à nossa casa, parece que os protagonistas do plural não encontraram melhor ocasião para se conjurarem que no fim- de-semana decisivo. Podiam ter esperado, podiam ter antecipado, valha-nos Deus! Como desabafaria o ministro da administração interna, se fosse com ele. Com amigos destes, ninguém precisa de inimigos, nem até de adversários.

AUTOR

António Correia de Campos

DATA

04.11.2015

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1413
Maio 2019