1034

31 Jul 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Mário Centeno
Propostas do PS garantem sustentabilidade das contas públicas
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

19.08.2015

FOTOGRAFIA

Paulo Henriques

Propostas do PS garantem sustentabilidade das contas públicas

O Programa Eleitoral do PS integra um conjunto de medidas que “garantem a sustentabilidade das contas públicas”, diminuindo gradual mas firmemente a dívida pública, ao mesmo tempo que “promove uma melhoria do saldo orçamental ao longo da legislatura”.

 

Foi desta forma que o economista Mário Centeno resumiu o impacto financeiro das propostas socialistas, durante a conferência de Imprensa na sede nacional do partido na qual foi apresentado “o quanto, o quando e o como” do Programa Eleitoral do PS.

Na ocasião, o economista coordenador do cenário macroeconómico socialista arrasou a ideia que a direita quer fazer passar sobre a estratégia de governação do país preconizada pelo PS.

Para Centeno, dizer que as nossas propostas são despesistas espelha bem o “esgotamento da argumentação da coligação” Passos/Portas.

Sublinhando que o Programa Eleitoral do PS é “prudente” e “previsível”, uma vez que está rigorosamente calendarizado, Mário Centeno sublinha que é também “responsável” porque o peso da despesa pública cai, mas reforça-se nas áreas em que o Estado deve ter um papel relevante: despesa social e de capital humano.

Quanto ao investimento público, referiu que este se concentra “em ciência, inovação, qualificações e reabilitação urbana”, isto é, em áreas fundamenteis para “construir o futuro do país”.

Descrevendo o Programa do PS como “um exercício de forte exigência”, o economista apontou depois aos “números que refletem a vida dos portugueses”.

Referiu então o aumento brutal do desemprego, da emigração e da desconfiança, relacionando-o diretamente com a queda do potencial produtivo do país” na presente legislatura.

“Esta é a marca registada da governação dos últimos quatro anos”, afirmou o economista, lamentando que o Governo PSD/CDS tenha alcançado a sua meta da “desvalorização do trabalho” e de destruição de emprego.

O PS, disse, propõe-se “reverter a tendência”, preparar e criar oportunidades de crescimento, depois de ter realizado um diagnóstico exaustivo da situação do país.

“A coligação do PS é com os cidadãos”, vincou Mário Centeno, que de seguida elencou nove medidas para reforçar o financiamento das empresas.

A concluir, o economista disse que o PS e os portugueses sabem que “é possível fazer diferente e ter confiança”, sem deixar de apontar como necessário e urgente reverter a queda da população ativa em Portugal.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

19.08.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019