1044

13 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

SUGESTÃO
Os Porquês de Augusto Santos Silva
AUTOR

Filipe Nunes

DATA

24.07.2015

FOTOGRAFIA

TÓPICOS

Os Porquês de Augusto Santos Silva

Sugestão de Filipe Nunes

 

Enquanto ainda tentamos perceber os porquês do fim dos “Porquês da Política”, programa da tvi24, vale a pena ler os “Porquês da Esperança”, título do recente livro de conversas entre Augusto Santos Silva e o jornalista Paulo Magalhães.

 

Augusto Santos Silva tem esperança e explica-nos porquê. Em primeiro lugar convida-nos a olhar para o caminho feito nestes 40 anos de democracia, no acesso à saúde e à educação, na proteção social, na abertura económica, e em tantas outras áreas.

Claro que reconhece os défices estruturais do país: o padrão de especialização e a forma como Portugal se integrou na economia internacional; o défice de qualificações, nomeadamente entre a população mais velha mas ainda ativa; a fraca incorporação de tecnologia e inovação naquilo que fazemos; uma economia pouco democratizada e ainda muito rentista.

Mas não deixa de apontar caminhos para combater esses défices. Simplesmente, antes de percebermos como os podemos combater, temos de nos entender quanto à natureza dos problemas. Está na moda falar-se de “mitos urbanos”. Ora justamente Santos Silva desmonta aqui os dois mitos principais do debate público: o “mito da década perdida” e o “mito da troika regeneradora”.

A primeira década do século XXI pode parecer “perdida”, se pensarmos apenas em termos de produto económico e défice orçamental, mas foi uma década ganha se olharmos para os indicadores sociais - e sabemos como esses indicadores podem fazer a diferença, a prazo, na competitividade económica das nações: a escolarização, a queda do abandono, o acesso a cuidados de saúde, a redução da pobreza e da desigualdade, a baixa da taxa de mortalidade infantil. Avançou-se também bastante na simplificação administrativa, nas políticas de ciência e cultura, na inovação tecnológica – fatores críticos de desenvolvimento e que trarão frutos a prazo (aliás já estão a trazer se olharmos para as exportações).

E depois temos “o mito da troika salvífica”. É que o que nos mostram os números são recuos de décadas. Para termos uma ideia, o risco de pobreza entre os portugueses ou o produto da nossa economia recuaram uma década. Em 2015, nestes pontos críticos, o país recuou ao ponto em que estava em 2005. Mas há recuos maiores: a criação de emprego recuou duas décadas. E o investimento recuou três décadas. Já a emigração voltou ao nível em que estava há mais de quatro décadas, isto é, a um nível pré-democrático…

Feito o diagnóstico, a estratégia de Augusto Santos Silva passa pela identificação dos recursos e pela mobilização dos atores. A língua, a diplomacia, o mar são alguns dos ativos estratégicos identificados. A mobilização dos atores passa pelos partidos políticos democráticos, evidentemente, mas partidos renovados nos seus métodos de decisão e recrutamento, capazes de ir buscar gente nova, e não apenas à academia ou às grandes empresas mas também ao novo empreendedorismo e ao mundo sindical.

Os últimos dois capítulos desta conversa com Paulo Magalhães centram-se nas escolhas e nas políticas. As escolhas de Augusto Santos Silva correspondem a uma cultura política coerente: o europeísmo, o atlantismo, o Estado distributivo, a economia social de mercado e a sociedade liberal. Esses valores constituem o ponto de partida para a diferenciação política da esquerda democrática portuguesa, e que passa muito pela criação de condições de crescimento na periferia da zona euro, pela defesa do Estado social e pela defesa da inovação económica e social.

As políticas defendidas são bem conhecidas de todos, ou não fosse o autor um dos principais colaboradores do Gabinete de Estudos do PS. Estamos a falar de uma política de rendimentos que deixe a economia respirar e criar mais empregos. De uma política fiscal e laboral que premeie o esforço e dignifique o trabalho, combatendo a precariedade. De uma política de combate à pobreza e às desigualdades que devolva dignidade às pessoas e mínimos sociais ao país. De uma política que privilegie as famílias e o acesso aos serviços públicos. De uma política que retome as apostas estratégicas na ciência e tecnologia e na educação de adultos.

Augusto Santos Silva alerta, no entanto, para a importância do reforço das instituições na qualidade das políticas públicas. No fundo, sem boa política não há boas políticas. A reforma do sistema político deve estar no centro da agenda parlamentar da próxima legislatura, e deve ser desejavelmente acompanhada pela recuperação da confiança na justiça, nos media e nas instituições financeiras.

Quando apresentou a sua candidatura a secretário-geral do PS, António Costa disse que “se pensarmos como a direita pensa, acabamos a governar como a direita governa”. “Os Porquês da Esperança” mostram-nos justamente um pensamento político autónomo, acompanhado por uma programa de ação simultaneamente alternativo e viável.

 

AUTOR

Filipe Nunes

DATA

24.07.2015

TÓPICOS
Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019