1044

13 Set 2019

| diretora: Edite Estrela

EDIÇÃO DIGITAL DIÁRIA DO ÓRGÃO OFICIAL INFORMATIVO DO PARTIDO SOCIALISTA

Açores
Vasco Cordeiro anuncia redução de impostos
AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

25.02.2015

FOTOGRAFIA

PS Açores

Vasco Cordeiro anuncia redução de impostos

Enquanto o Governo nacional insiste em não dar folga ao torniquete fiscal que impôs às famílias e às empresas, nos Açores, o presidente do Executivo Regional mostra que é possível fazer diferente e melhor.

 

Vasco Cordeiro anunciou uma redução de impostos que abrange dois escalões do IRS e as taxas intermédia e reduzida do IVA.

No caso do Imposto sobre o Rendimento Singular (IRS), a taxa do primeiro escalão passa a ser 30% inferior à taxa nacional e a do segundo escalão terá uma diferença de 25%. Nos restantes escalões, manter-se-á a diferença de 20% em relação às taxas nacionais que estão atualmente em vigor para todos os níveis de rendimentos.

Quanto ao Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), as taxas reduzida e intermédia passarão a ser 30% inferiores às nacionais. A taxa normal do IVA manterá o atual diferencial fiscal de 20% em relação ao continente.

O primeiro escalão do IRS abrange os rendimentos até 7 mil euros anuais e a taxa nacional é de 14,5%. O segundo escalão engloba os rendimentos entre 7 mil e 20 mil euros anuais e tem uma taxa de IRS no continente de 28,5%. Quanto ao IVA, a taxa nacional reduzida é de 6%, a intermédia é de 13% e a normal 23%.

Segundo Vasco Cordeiro, que falava aos jornalistas em Ponta Delgada, a proposta do Governo açoriano prevê a compensação do impacto estimado nas receitas (na ordem dos 18,5 milhões de euros anuais) ao nível das despesas e do investimento público, “salvaguardando ao máximo” a execução de fundos europeus.

Por outro lado, reiterou a importância de fazer essa compensação no lado da despesa, por os Açores quererem continuar a ser uma “referência nacional” em termos de equilíbrio orçamental.

O presidente do Executivo socialista dos Açores manifestou ainda a sua satisfação por o Governo nacional ter “reconhecido” que não havia motivo para aumentar os impostos nos Açores em 2014 e que a “boa e rigorosa gestão das contas públicas” regionais permite a reposição de um diferencial fiscal de 30%.

Mas ironizou com a “benevolência do primeiro-ministro, por Passos Coelho ter recusado repor também as transferências para os Açores ao nível de 2013, lembrando que o corte nessas verbas ascendeu a 67 milhões de euros o ano passado.

Refira-se que a proposta aprovada pelo Executivo açoriano resulta de um acordo com o CDS-PP/Açores.

AUTOR

Mary Rodrigues

DATA

25.02.2015

Capa Edição Papel
 
EDIÇÃO Nº1414
Agosto 2019